Programa Aveiro Digital www.aveiro-digital.pt 
Linha separadora
      O Programa Aveiro Digital 2003 - 2006 é co-finaciado pelo FEDER e pelo FSE através do Programa Operacional Sociedade da Informação
Linha separadora
Separador
Indicador de item de menu Apresentação
Separador
Indicador de item de menu Projectos  
Separador
Indicador de item de menu Serviços
Separador
Indicador de item de menu Documentação
Separador
Indicador de item de menu Outros Destinos
Separador
Indicador de item de menu Contactos
Separador

Um globo inclinado, com uma grelha sobreposta. Na sua superfície está recortado um buraco de fechadura

Atalhos de acesso ao menú: ALT + Letra sublinhada

English Version     Versão Portuguesa


Visitantes: 3628573

 

[ Inicio ]
Icon Apresentação  Apresentação :: Áreas de Intervenção :: 6 - Solidariedade Social :
 

A solidariedade social, nas suas componentes de segurança, protecção social e de integração dos idosos, dos cidadãos com necessidades especiais e das minorias étnicas, é uma Área de Intervenção fundamental para a construção de uma comunidade inclusiva.

As TIC já se comprovaram, em múltiplas aplicações, como um dos instrumentos de integração social que poderá acelerar os processos de coesão, derrubando barreiras na comunicação, no trabalho, na mobilidade e na participação cívica.

Os factores críticos intrínsecos desta área prendem-se com a formação específica e continuada dos técnicos, com a sensibilização generalizada de toda a comunidade, com a articulação das iniciativas e entidades, com a racionalização dos processos das instituições e com a reformulação do sistema de ajudas técnicas baseadas em TIC.

Assim, perspectiva-se o seguinte conjunto de projectos, bem como os seguintes indicadores e objectivos para esta Área de Intervenção:

P 6.1 Serviços de Gestão e Administração da Rede Social

Instalar sistemas de gestão e workflow concebidos com base numa arquitectura partilhada, garantindo a massa crítica de operação para a sua efectiva utilidade e ligação aos utentes.

A instalação, operação e manutenção destes serviços devem garantir a sustentabilidade técnica e económica, estimulando-se a participação do sector privado de segurança social e das seguradoras e contemplando a disponibilização de serviços na Internet através de um front-office.

P 6.2 Conteúdos Pedagógicos

Integrar nos processos de aprendizagem das crianças e dos jovens com necessidades especiais, conteúdos pedagógicos baseados nas TIC, especialmente concebidos para responder às especificidades destes utilizadores.

Contemplam-se conteúdos para programas de orientação e mobilidade (orientação no espaço, adopção das convenções, associação de conceitos e mapeamento do conhecimento cultural com a informação cognitiva), programas de aprendizagem de tarefas do quotidiano (deslocação na casa, deslocação na rua, vestir, comer, comunicar, etc.) e ainda programas adequados à integração no mercado de trabalho.

P 6.3 Centros de Serviços de Teletrabalho

Instalar plataformas para tele-trabalhadores, a integrar nos Centros de Teletrabalho, devidamente equipadas e adaptadas às especificidades dos trabalhadores com necessidades especiais.

Perspectiva-se a operação de call-centers e de serviços de atendimento, bem como serviços de webdesign e de desenvolvimento de software, como potenciais tipos de teletrabalho para pessoas com necessidades especiais.

P 6.4 Viver em Segurança

Instalar nas residências de grupos de idosos e de pessoas com necessidades especiais, sistemas baseados em TIC que lhes permitam um maior grau de autonomia e de independência através de serviços de segurança, resposta a emergências, telepresença, comunicação interpessoal, aconselhamento remoto, treino remoto de facilidades vitais para a comunicação e operação remota de equipamentos, entre outros.

Estes serviços devem ser concebidos com objectiva utilidade, garantindo a máxima eficiência operacional dos recursos. Por isso, especial atenção deve ser dada à sua exploração e manutenção avaliando e confirmando a capacidade de resposta técnica e orçamental das instituições.

P 6.5 Inclusão Social na SI

Instalar equipamentos e serviços dentro das instituições e articular os agentes para a utilização conjunta dos meios existentes nos CPAS, escolas, associações culturais, desportivas e recreativas.

Perspectiva-se a criação de condições de inclusão e participação dos idosos, das comunidades étnicas, das mulheres e dos jovens em risco e de outros grupos socialmente desfavorecidos, desenvolvendo e conjugando acções de sensibilização e formação e criando facilidades especiais de acessibilidade às TIC dentro e fora das instituições. Promover, utilizando as TIC, serviços de voluntariado e de solidariedade local, bem como a inter-ajuda e a partilha dentro das comunidades.

P 6.6 Cultura para a Inclusão

Desenvolver em formato digital para rede móvel, broadcast, Internet e painéis públicos, o guia para idosos e para pessoas com necessidades especiais, disponibilizando informação útil e localizada sobre mobilidade, saúde, transportes, voluntariado, espectáculos, trabalho, ajudas técnicas, formação, etc.

Estimular a integração de jovens trabalhadores com necessidades especiais no tecido empresarial das TIC, avaliando a introdução de condições na selecção dos fornecedores de serviços.

P 6.7 Balcão Único de Atendimento

Instalar e operar um call-center unificado de serviços, disponível via telefone e Internet, com atendimento a todas as valências e garantindo um serviço de 24 horas.

Perspectiva-se um serviço prestado pelas instituições em regime de rotação, e que permita apoiar as pessoas e as famílias em situações regulares de ajuda ou de emergência, prestando ainda informação sobre apoios técnicos e serviços logísticos.

P 6.8 Balcão Único de Solidariedade Social

Instalar e operar um serviço único que disponibilize a informação agregada sobre iniciativas de voluntariado, emergência social e campanhas de solidariedade social.

Perspectivam-se funcionalidades de registo de campanhas e iniciativas de solidariedade social, disponibilização de informação sistematizada e actualizada acerca das iniciativas de âmbito local, regional e nacional bem como a sua promoção associada a serviços de gestão da oferta de voluntariado e de apoios de ordem logística e financeira.

A operação deste serviço deve estar garantida por uma instituição ou grupo de instituições de solidariedade social que garantam a sua isenção e transparência e que perspectivem adequados modelos de sustentabilidade.

IO. 6- Indicadores e Objectivos Anuais

Indicadores
Ano 2
Ano 3
Ano 4
Sistemas de gestão e administração das instituições 20% 50% 80%
Técnicos das instituições certificados em competências básicas nas TIC 20% 40% 60%
Pessoas com necessidades especiais em teletrabalho 8 12 24
Idosos e deficientes profundos em residências assistidas - 12 24
Nº de plataformas para PNEs 12 24 48
Guia para os idosos e PNEs 20% 70% 100%
Call-Centre unificado de serviços de atendimento 20% 100% -
Call-Centre unificado de solidariedade social 20% 100% -