Programa Aveiro Digital www.aveiro-digital.pt 
Linha separadora
      O Programa Aveiro Digital 2003 - 2006 é co-finaciado pelo FEDER e pelo FSE através do Programa Operacional Sociedade da Informação
Linha separadora
Separador
Indicador de item de menu Apresentação
Separador
Indicador de item de menu Projectos  
Separador
Indicador de item de menu Serviços
Separador
Indicador de item de menu Documentação
Separador
Indicador de item de menu Outros Destinos
Separador
Indicador de item de menu Contactos
Separador

Um globo inclinado, com uma grelha sobreposta. Na sua superfície está recortado um buraco de fechadura

Atalhos de acesso ao menú: ALT + Letra sublinhada

English Version     Versão Portuguesa


Visitantes: 3629012

 

[ Inicio ]
Icon Noticias  Noticias :
 
Notícia com data de 16-01-2003 --- Aveiro Digital alargada a onze concelhos

Área do projecto coincidente com a AMRia

Nos últimos anos, a cidade e a região de Aveiro consolidou-se como um centro de excelência na sociedade do conhecimento e da inovação, tendo-se tornado e afirmado «num centro piloto de implementação de acessibilidades e sistematização de acções de sensibilização e massificação de instrumentos e de conteúdos», referiu o ministro Adjunto, José Luís Arnaut, que, anteontem, presidiu, na Torreira, à assinatura do Contrato Programa Aveiro Digital 2003 – 2006.

O projecto Aveiro Digital vai ser gerido pela Associação Aveiro Digital e pela AMRia - Associação de Municípios da Ria, é financiado pelo POSI – Programa Operacional para a Sociedade da Informação, e constitui-se como «um instrumento de articulação e afirmação da competitividade territorial». Na cerimónia de assinatura do protocolo, o ministro José Luís Arnaut saudou esta iniciativa, «que partiu de um projecto estritamente concelhio, em que todas as partes hoje envolvidas nesta associação viram mais longe», tornando-se num projecto intermunicipal, saudando também «a visão» do presidente da Câmara de Aveiro em ter abarcado e abraçado este projecto, de todos os demais autarcas, e da Universidade, que vieram dar «uma dimensão distrital». «A união de forças e de cinergias é vital para o sucesso deste projecto e de todos os projectos nesta área», sustentou.

Este projecto, orçamentado em 22 milhões de euros, pretende consolidar a imagem de marca a três níveis: criar um efeito baseado no trabalho feito na cidade de Aveiro e extensível ao território de todos os municípios abarcados por este projecto; formar uma verdadeira rede integrada de modernidade cívica no território do que deve ser a relação cidadão – Governo; e consolidar a inovação na área do automóvel, da electrónica e das tecnologias da informação e do conhecimento. «O Governo está empenhado em retirar Portugal, também nesta área, da cauda da Europa. O caminho que temos a percorrer não é fácil, é bem longo, mas estamos determinados a enfrentá-lo», frisou o ministro Adjunto, que explicou que a implementação de uma política eficaz nesta área só é possível «através da descentralização de acções e da sua coordenação ao mais alto nível, não com acções isoladas e avulsas».

Da «Aveiro Digital» à gestão da Ria

«O empenhamento da Associação de Municípios da Ria e dos seus onze municípios associados na parceria com a Associação Aveiro Digital e na gestão contratualizada do POSI é total e determinada. Demonstraremos concerteza que somos capazes de gerir mais esta responsabilidade», afirmou Ribau Esteves, presidente do Conselho de Administração da AMRia.

Ribau Esteves pretende que o Governo tome também «outras decisões igualmente inteligentes e sensatas», assentes nos mesmos princípios: a materialização urgente do novo modelo de gestão da Ria de Aveiro, proposto por decisão unânime pela Associação de Municípios da Ria e aceite por declaração de princípio pelo Governo, é um passo exemplar, «necessário e essencial» para uma boa gestão da Ria de Aveiro. «Urge a criação de uma entidade gestora da Ria de Aveiro, que integre em si própria o Governo, com os seus departamentos que sobre a Ria têm jurisdição, a Associação de Municípios da Ria e outras entidades locais e regionais que possam dar contributos positivos», esclareceu.

Aveiro disputa liderança nacional no digital

Dos países que irão entrar para a União Europeia, em 2004, alguns têm, em relação a Portugal, indicadores tão ou melhores em matéria de inovação e de ciência e tecnologia. Um dado que, no dizer de Diogo Vasconcelos, gestor da Unidade de Missão de Inovação e Conhecimento, só deixa uma hipótese ao nosso país: «crescermos mais, melhor e com mais conhecimento, o que implica inovar». O projecto «Aveiro Digital 2003 – 2006» é dos projectos maiores até agora assinados no âmbito do Programa Cidades Digitais, o que advêm pelo facto de Aveiro ser hoje, a nível nacional, considerada como uma região «com características de liderança de pioneirismo ao nível da inovação». Por isso, Diogo Vasconcelos espera que o trabalho que até agora foi feito «seja desenvolvido, consolidado e exponenciado no sentido que de Aveiro surjam para Portugal coisas novas, úteis e uma dinâmica nova, empreendedora e inovadora de que todo o país, e não só a população do distrito de Aveiro, possam aproveitar».

Jaime Quesado, gestor do POSI (Programa Operacional para a Sociedade da Informação, reconheceu o excelente trabalho desenvolvido em Aveiro, no sector da sociedade da informação, mas considerou que, a exemplo do que acontece no país, também aqui há «fossos» entre as zonas mais desenvolvidas e aquelas onde houve um desenvolvimento menor, pelo que o acordo estabelecido entre a Associação Aveiro Digital, a AMRia e o POSI visa atenuar ou extinguir esses fossos.

Lusitana Fonseca, da Comissão Executiva da Associação Aveiro Digital, apresentou as linhas gerais do que será o projecto «Aveiro Digital 2003 – 2006», o qual pretende «contribuir para a modernização e qualificação dos recursos, com impacto na criação de riqueza e na qualidade de vida da região da Ria de Aveiro», ao mesmo tempo que quer ser «um pilar estruturante da inovação e da competitividade para o desenvolvimento local e regional».

Este projecto é composto por oito grandes áreas de intervenção: comunidade digital; autarquias e serviços municipais; escolas e comunidades educativas; universidade e comunidade universitária; serviços de saúde; solidariedade social; tecido produtivo; e informação, cultura e lazer.

Um dos parceiros fundadores do projecto Aveiro Cidade Digital e da Associação Aveiro Digital é a Universidade de Aveiro (UA), que, no dizer da reitora, Helena Nazaré, «tem procurado construir no dia-a-dia uma universidade digital» aberta à comunidade interna e externa. O objectivo da participação da UA neste projecto «continua a ser desenvolvimento de serviços, de parceria com os cidadãos da região de Aveiro para que possamos contribuir para a interacção científica e cultural com toda a sociedade». Por isso, a universidade «continua disponível e interessada em participar, como parceira, nas diferentes áreas de intervenção deste programa, disponibilizando os seus meios e valências ao serviço do cidadão». O projecto Aveiro Digital irá contribuir para que Aveiro possa «discutir uma liderança nacional no domínio do digital».

Aveiro Digital em números

22 – o investimento previsto para o Aveiro Digital 2003 – 2006, em milhões de euros
75 – percentagem de financiamento público do POSI
11 – os municípios abrangidos, todos os que integram a AMRia
8 – as grandes áreas de intervenção do projecto
4 – os anos de duração do projecto
38 – os projectos desenvolvidos na primeira fase do Aveiro Cidade Digital
3 – as entidades fundadoras da Associação Aveiro Digital (Câmara Municipal de Aveiro, Universidade de Aveiro e Portugal Telecom)

Cardoso Ferreira

FONTE: Diário de Aveiro


[ « Anterior ]