Programa Aveiro Digital www.aveiro-digital.pt 
Linha separadora
      O Programa Aveiro Digital 2003 - 2006 é co-finaciado pelo FEDER e pelo FSE através do Programa Operacional Sociedade da Informação
Linha separadora
Separador
Indicador de item de menu Apresentação
Separador
Indicador de item de menu Projectos  
Separador
Indicador de item de menu Serviços
Separador
Indicador de item de menu Documentação
Separador
Indicador de item de menu Outros Destinos
Separador
Indicador de item de menu Contactos
Separador

Um globo inclinado, com uma grelha sobreposta. Na sua superfície está recortado um buraco de fechadura

Atalhos de acesso ao menú: ALT + Letra sublinhada

English Version     Versão Portuguesa


Visitantes: 3629114

 

[ Inicio ]
Icon Noticias  Noticias :
 
Notícia com data de 17-09-2006 --- Cultura Digital motiva vários projectos na região

Nova página 2

Os onze projectos desenvolvidos por organismos pertencentes aos concelhos da Associação de Municípios da Ria (AMRia) no âmbito Área de Intervenção 8 (AI8) – informação, cultura e lazer – do Programa Aveiro Digital foram apresentados no Cine Teatro de Estarreja.
Algumas das entidades que desenvolveram projectos nesta área estiveram presentes na conferência de imprensa e apresentaram os trabalhos desenvolvidos e os seus objectivos. Um destes organismos é a Casa Museu Egas Moniz, em Avanca, concelho de Estarreja, que está a digitalizar todo o espólio deixado pelo primeiro Nobel português, para o colocar à disposição da população, visitantes e principalmente investigadores. O projecto prevê ainda uma visita virtual à Casa Museu e a explicação de tudo o que se pode ver neste espaço, incluindo a história do inventor da angiografia. A observação de algum do património já digitalizado pode ser feita através de www.museuegasmoniz.cm-estarreja.pt .
Por seu lado, a Santa Casa da Misericórdia da Murtosa está a levar a cabo um processo de digitalização de um conjunto de documentos do antigo juizado de paz que funcionou naquele concelho no passado e que José Tavares Afonso e Cunha, advogado na comarca de Estarreja, legou, juntamente com a sua biblioteca, à Misericórdia local.
Nestes documentos, Manuel Arcêncio, provedor da Santa Casa, diz estar a história da Murtosa. «Este é um dos elementos que pode fornecer, a alguém que queira escrever sobre a Murtosa, dados importantes sobre a sua história», refere. «O projecto não termina aqui. Serão precisos mais 23 anos para digitalizar textos. Nós começámos por pensar que só digitalizaríamos cerca de 20 e já vamos em 100 documentos. E a cada dia vão aparecendo mais. Já valeu a pena apostar neste projecto», acrescentou. Os textos estão disponíveis em www.paz.misericordiamurtosa.pt .

Outros projectos

No caso do programa Bibria, a missão é ligar três bibliotecas da região – Aveiro, Oliveira do Bairro e Ovar – com o objectivo de digitalizar, difundir e permitir o acesso aos seus fundos locais. Documentos históricos, jornais locais e revistas poderão ser consultadas através de www.bibria.cm-aveiro.pt . A Academia Digital é um trabalho de grupo realizado entre a Universidade de Aveiro e o Teatro Aveirense que usa as novas tecnologias para formar uma nova mentalidade para a era digital. Com este projecto já foram criados diversos trabalhos artísticos a partir das novas tecnologias, um dos quais é o espectáculo «Zoológico», que pretende mostrar às crianças e jovens uma forma divertida de aprender Matemática, recorrendo à Música, ao Teatro, à Dança e a Sistemas Interactivos para abordar conceitos básicos como formas geométricas, áreas e números primos. O mais recente trabalho é «Quatro Elementos», que reúne som e vídeo, mostrando a importância dos quatro elementos, orquestrada pela Orquestra Filarmónica das Beiras.
Eles estão em Aveiro, Ílhavo e Estarreja, e serão também colocados em Albergaria-a-Velha. São quadros digitais onde se podem ler as principais notícias do dia e algumas informações de trânsito e curiosidades para quem está de passagem. Estes quadros são mais um dos projectos do AI8, que se chama PIAR. Vasco Lagarto, responsável pelo conceito, explicou que tudo partiu de uma ideia simples. «Se ouvimos gaivotas em terra a piar, elas informam-nos que há tempestade no mar». Da mesma maneira, os quadros PIAR pretendem ser um meio de informação à população sobre o que se passa na região.

O Museu de Aveiro escolheu abordar a história do Conventos da Ouça, da princesa, de Afonso V e de várias personagens que passaram pela região de uma forma divertida para ensinar as crianças dos oito aos 12 anos. As histórias são baseadas em fontes eruditas que permitem garantir a veracidade de um projecto conjunto do Museu de Aveiro com as autarquias de Aveiro, Oliveira do Bairro e Vagos.
O SIGRED, projecto de gestão de equipamentos desportivos e culturais, o ADIRA, o IPJ Digital e a página da Associação Académica da Universidade de Aveiro são outros exemplos de iniciativas que se desenvolveram neste espírito de cruzamento das novas tecnologias com entidades culturais e de lazer.

Fonte: Diário de Aveiro (Carmen Martins) >>


[ « Anterior ]