Programa Aveiro Digital www.aveiro-digital.pt 
Linha separadora
      O Programa Aveiro Digital 2003 - 2006 é co-finaciado pelo FEDER e pelo FSE através do Programa Operacional Sociedade da Informação
Linha separadora
Separador
Indicador de item de menu Apresentação
Separador
Indicador de item de menu Projectos  
Separador
Indicador de item de menu Serviços
Separador
Indicador de item de menu Documentação
Separador
Indicador de item de menu Outros Destinos
Separador
Indicador de item de menu Contactos
Separador

Um globo inclinado, com uma grelha sobreposta. Na sua superfície está recortado um buraco de fechadura

Atalhos de acesso ao menú: ALT + Letra sublinhada

English Version     Versão Portuguesa


Visitantes: 3628623

 

[ Inicio ]
Icon Noticias  Noticias :
 
Notícia com data de 16-10-2006 --- Projecto RDSR: Consulta do coração sem ir ao hospital

Os utentes do Centro de Saúde da Murtosa que precisem de uma consulta de Cardiologia já não têm que se deslocar ao Hospital Infante D. Pedro, em Aveiro, para serem observados pelo médico especialista. Tudo graças ao serviço de Telemedicina que está a funcionar desde esta semana na unidade de saúde. Para já a teleconsulta, quinzenal, apenas existe para esta especialidade, mas o objectivo, segundo a directora do centro, Rosa Duarte, é alargar a outras áreas e se possível a outros hospitais, nomeadamente ao Hospital Pediátrico e aos Hospitais da Universidade de Coimbra.

Este serviço destina-se aos utentes das consultas externas que, a partir de agora, passam a estar em contacto com o cardiologista do hospital de Aveiro. A teleconsulta funciona da mesma maneira que uma consulta normal, uma vez que o médico especialista está em contacto directo e em tempo real com o paciente e o médico de família. A deslocação ao Hospital Infante D. Pedro só é feita no caso de ser preciso realizar exames médicos.

Rosa Duarte afirma que este serviço é "de grande importância e uma mais valia para os 12 mil utentes" da unidade de saúde. Essa importância ganha ainda mais relevo quando se trata de uma população "maioritariamente idosa e economicamente débil, que vive numa zona onde a rede de transportes é deficitária".

A responsável acredita ainda que as obras no Centro de Saúde vão contribuir para melhorar as condições de atendimento aos utentes. As obras começaram em Setembro e devem ficar prontas em Dezembro. Visam, sobretudo, as salas de espera, os gabinetes médicos e as casas de banho.

Fonte: Jornal de Notícias (Paula Rocha) >>

[ « Anterior ]