Programa Aveiro Digital www.aveiro-digital.pt 
Linha separadora
      O Programa Aveiro Digital 2003 - 2006 é co-finaciado pelo FEDER e pelo FSE através do Programa Operacional Sociedade da Informação
Linha separadora
Separador
Indicador de item de menu Apresentação
Separador
Indicador de item de menu Projectos  
Separador
Indicador de item de menu Serviços
Separador
Indicador de item de menu Documentação
Separador
Indicador de item de menu Outros Destinos
Separador
Indicador de item de menu Contactos
Separador

Um globo inclinado, com uma grelha sobreposta. Na sua superfície está recortado um buraco de fechadura

Atalhos de acesso ao menú: ALT + Letra sublinhada

English Version     Versão Portuguesa


Visitantes: 3629056

 

[ Inicio ]
Icon Noticias  Noticias :
 
Notícia com data de 28-10-2000 --- IGIF vai apostar na telemedicina

O Instituto para a Gestão Informática e Financeira do Ministério da Saúde vai apoiar a telemedicina, disse ontem em Aveiro Miguel Covas na conferência de encerramento da Semana da Saúde. Combater as carências sentidas no interior do país é um dos objectivos A telemedicina em Portugal ainda se encontra pouco explorada, disse ontem Miguel Covas, do Instituto para a Gestão Informática e Financeira do Ministério da Saúde (IGIF), durante a conferência que encerrou a Semana da Saúde, promovido pelo programa Aveiro Cidade Digital. O IGIF é responsável pela Rede de Informação da Saúde, que começou por identificar as carências no «tipo e fluxo de informação» entre as diversas instituições de saúde em Portugal, concluindo que era necessário criar uma rede informática que conseguisse minimizar «as distâncias geográficas». A instalação do sistema, que se pretendia «abrangente», começou em 1995 com a aquisição do primeiro equipamento que permitiu a ligação entre as delegações do IGIF em Lisboa, Porto e Coimbra. A rede montada, que entretanto foi sendo gradualmente alargada às diferentes Administrações Regionais de Saúde e centros de saúde do país, permite aos serviços e utentes, segundo Miguel Covas, ter acesso a um conjunto de benefícios - entre eles e-mails, recurso à Internet ou transferência de ficheiros -, com total «segurança nos acessos» e «confidencialidade e privacidade de dados». Um dos serviços em que o IGIF pretende apostar (embora não seja da competência directa deste organismo do Estado) é, então, a telemedicina e o telediagnóstico, que trazem algumas vantagens aos serviços médicos, de acordo com Miguel Covas. Uma delas é o acesso «mais fácil e mais rápido» aos serviços de saúde, uma vez que «as competências técnicas ficam melhor distribuídas» por todo o território - actualmente, essas competências estão concentradas sobretudo na faixa litoral, com grandes carências sentidas no interior. Além disso, a telemedicina poderá permitir a redução nos custos dos cuidados prestados, em função, por exemplo, da diminuição no número de transportes de doentes. SaúdeNet em destaque Em Aveiro, a telemedicina deverá sofrer um impulso. Para já, e depois de todos os centros de saúde de Aveiro-Sul terem sido equipados com correio electrónico e Internet, o Hospital de Aveiro e o centro de saúde local encontram-se ligados por um cabo de fibra óptica, estando programada a reactivação deste serviço entre os centros de saúde de Vagos e Albergaria-a-Velha e os Hospitais de Aveiro e Estarreja. A Norte, a telemedicina deverá estar disponível entre o Hospital de Santa Maria da Feira e os centros de saúde de Arouca e Castelo de Paiva, os mais distantes da região. A Semana da Saúde foi dominada pelo projecto SaúdeNet, que arrancou há dois anos e custou derca de 52 mil contos. Esta iniciativa - que surgiu no âmbito do programa Aveiro Cidade Digital e tem como parceiros, para além do Hospital D. Pedro, a Sub-Região de Saúde de Aveiro, a UA, a PT Inovação e o IGIF - visa estabelecer uma infra-estrutura de comunicação entre os prestadores de cuidados de saúde de Aveiro e os utentes, o que deverá ser conseguido com a instalação de meios tecnológicos como forma indirecta de acréscimo de qualidade na prestação dos serviços. Além disso, o projecto prevê formas directas de contacto com os cidadãos que se dirijam às unidades de saúde, mediante a disponibilização de monitores que debitarão informações diversas - as salas de espera dos serviços de Urgência ou Pediatria do Hospital de Aveiro são exemplos de locais onde estas ferramentas foram instaladas.

FONTE: Diário de Aveiro ( ver notícia )


[ « Anterior ]