Programa Aveiro Digital www.aveiro-digital.pt 
Linha separadora
      O Programa Aveiro Digital 2003 - 2006 é co-finaciado pelo FEDER e pelo FSE através do Programa Operacional Sociedade da Informação
Linha separadora
Separador
Indicador de item de menu Apresentação
Separador
Indicador de item de menu Projectos  
Separador
Indicador de item de menu Serviços
Separador
Indicador de item de menu Documentação
Separador
Indicador de item de menu Outros Destinos
Separador
Indicador de item de menu Contactos
Separador

Um globo inclinado, com uma grelha sobreposta. Na sua superfície está recortado um buraco de fechadura

Atalhos de acesso ao menú: ALT + Letra sublinhada

English Version     Versão Portuguesa


Visitantes: 3622708

 

[ Inicio ]
Icon Noticias  Noticias :
 
Notícia com data de 27-11-2000 --- Ao êxito da Cidade Digital deve aliar-se mais dinheiro

O programa Aveiro-Cidade Digital está a ter um êxito superior a todas as expectativas, havendo, no entanto, aspectos, como o regime de financiamento e o estatuto jurídico, que precisam de ser revistos, disse ontem o presidente da Câmara de Aveiro.

Alberto Souto queixou-se, perante o ministro da Ciência e Tecnologia, que assistiu ao forum de três dias que serviu para fazer o primeiro balanço do programa, de algumas regras que são "mais típicas da era da máquina de escrever".

O presidente da Câmara defendeu o funcionamento do programa noutros moldes e anunciou que proporá ao Governo a adopção de um novo formato jurídico. O autarca afirmou que "Aveiro Digital foi até agora um caso de sucesso, com uma execução dos projectos superior a 90%".

O programa Aveiro-Cidade Digital, liderado por um consórcio que envolve a Câmara, a Universidade e a Portugal Telecom, está no terreno há cerca de dois anos.

Abrange 30 projectos, distribuídos por oito áreas de intervenção - da escola à saúde, passando pela solidariedade social, cultura e lazer - e tem custos estimados em cerca de um milhão e 200 mil de contos. Destes, 700 mil são comparticipados pelo FEDER, cabendo o financiamento dos restantes 40% aos promotores. "A Cidade Digital não está ainda construída nem esse era o objectivo, mas os alicerces estão lançados de forma consistente», sublinhou o autarca.

Escassez de verbas, falhas ao nível da formação e diferenças de ritmo entre o financiamento e as necessidades dos projectos, um regime jurídico pesado e lento, são as deficiências apontadas por Alberto Souto que defendeu que o programa deve prosseguir «em novos moldes de gestão», menos dependente do voluntarismo.

FONTE: Jornal de Noticias - Por José Carlos Maximino( ver notícia )


[ « Anterior ]