Programa Aveiro Digital www.aveiro-digital.pt 
Linha separadora
      O Programa Aveiro Digital 2003 - 2006 é co-finaciado pelo FEDER e pelo FSE através do Programa Operacional Sociedade da Informação
Linha separadora
Separador
Indicador de item de menu Apresentação
Separador
Indicador de item de menu Projectos  
Separador
Indicador de item de menu Serviços
Separador
Indicador de item de menu Documentação
Separador
Indicador de item de menu Outros Destinos
Separador
Indicador de item de menu Contactos
Separador

Um globo inclinado, com uma grelha sobreposta. Na sua superfície está recortado um buraco de fechadura

Atalhos de acesso ao menú: ALT + Letra sublinhada

English Version     Versão Portuguesa


Visitantes: 3629165

 

[ Inicio ]
Icon Noticias  Noticias :
 
Notícia com data de 22-04-2002 --- Biorede é prémio nacional multimédia de 2001

Biorede um sítio da Universidade de Aveiro na Web, recebeu o Prémio Nacional de Multimédia de 2001 – um “macadam” de ferro iluminado no interior por uma luz azul -, das mãos de Fernandes Thomaz, o novo Secretário de Estado da Ciência e da Tecnologia e antigo professor daquela Universidade. O cidadedamalta.pt, da Autor, e o CD-ROM “Homem: Noma Kan Djan – Arte em Moçambique”, de Carlos Amaral Nunes, receberam as duas menções honrosas atribuídas. Este último ganhou ainda a categoria de Conteúdos, secundado pelo CD-ROM “Diciopédia 2001”, da Porto Editora, e pelo Automania.clix.pt, da Mind.

Lançado no ano passado pela Associação para a Promoção do Multimédia em Portugal (APMP), o prémio teve 114 candidaturas para 89 produtos de 43 empresas numa dúzia de categorias – divididas em termos de perspectiva de mercado, através de produtos e aplicações de multimédia interactivo e outra secção relativa às funcionalidades e competências dos produtos multimédia.

Na primeira secção, nas categorias de informação, educação e formação, comércio electrónico, infantil, comunicação empresarial e adaptação à língua portuguesa, o Público.pt venceu a primeira, o que constitui mais um reconhecimento do sítio do PÚBLICO na Web, lançado em 1995. Os dois preteridos foram o Educare.pt, da Porto Editora e o Automania.clix.pt.

Em educação, a “Diciopédia 2001” triunfou à frente da Biorede do “Professor Teles Cópio Explora as Grandes Civilizações II”, um CD-ROM da NNC Multimédia. Na formação, todos em formato CD-ROM, “Descobrir o Euro”, da Autor, e “HL Porto”, da Siemens, perderam para a “Sala de Mecânica Virtual”, da Corpium.

Dos sítios na Web da categoria de comércio electrónico, o Pingo Doce Online, da Abrinício, liderou perante a Netviagens.com, da ViaTecla, e do Webboom.pt, da Porto Editora. Na categoria infantil, o Cidadedamalta.pt, foi escolhido à frente do Clikin.pt, da Porto Editora, e do CD-ROM “Primeiro Dicionário Universal – Português”, Texto Editora.

Em termos de sítios de comunicação empresarial, a Neurónio (uma empresa recentemente encerrada) ganhou com o sítio do Pavilhão do Conhecimento (www.pavconhecimento.mct.pt), à frente do Portoeditora.pt e do Erickson.pt/mp3, da Wunterman.

Já na categoria de adaptação à língua portuguesa, as escolhas estavam restritas aos CD-ROM da EME “103 experiências para Descobrir a Ciência”, “O Álbum Mágico do Tio Zeca” e o vencedor “Cosmos – Uma Viagem no Universo”.

Na segunda secção, a criatividade e inovação premiou a Biorede à frente do “Pingo Doce Online” e da “Barra iTV”, da TV Cabo, que acabou por vencer na categoria de tecnologia perante a “Diciopédia 2001” e o Exit.pt.

Carlos Cabral Nunes bisou com um prémio na categoria de “design” visual e a interacção com o CD-ROM “Homem: Trilogia de Artur Bual”, ultrapassando a Biorede, e “Travassos Museu de Ouro, da Sensoria, enquanto na animação a Porto Editora apresentou o vencedor Clickin.pt face a “Os Casquides”, da Autor e “Nik”, da Mind.

Pelos caminhos da préselecção e da selecção final ficaram as sete categorias de serviços de apoio ao cidadão, lazer, comunicação publicitária, novos talentos, som, vídeo e imagem, e acessibilidade para cidadãos com necessidades especiais. Embora não tenha sido divulgado no evento, a APMP conta realizar no próximo ano a segunda edição deste prémio.

A anteceder a divulgação dos prémios, a consultora Deloitte & Touche apresentou um estudo realizado para a APMP onde se denota que a crise do sector multimédia nacional se instalou no ano de 2000. O trabalho, embora denominado “Estudos Prospectivo: Análise da Indústria e Mercado Multimédia Nacional 2001”, reporta-se a dados relativos aos anos anteriores sumariados e já divulgados por outras entidades, como a Obercom, a Marktest, a Anacom ou a OCDE. Por outro lado, além das telecomunicações, da Internet e do comércio electrónico, acrescenta o sector dos média em geral.

O volume de negócios do sector da comunicação em 2000 foi de 115,261 milhões de euros – 8.02 por cento relativamente ao produto interno bruto (PIB) mas um crescimento de apenas 0.09 por cento perante 1999 -, enquanto o subsector das tecnologias de informação e comunicação (TIC) e multimédia interactivo (onde se integra o “design” para a Web, o desenvolvimento de conteúdos “online”, a concepção de quiosques interactivos, a edição, produção e distribuição de CD-ROM e as consolas de videojogos) baixou de 1.86 por cento 1999 para 1.68 por cento em 2000, ainda relativamente ao PIB.

No total, o sector da comunicação (excluindo os grupos de média) cresceu 8.9 por cento face ao ano transacto, tendo o aumento mais significativo ocorrido no cinema (67.2 por cento). Isoladas, as telecomunicações aumentaram 11.7 por cento - de 4494.5 milhões de euros em 1999 para 5019.6 em 2000 – enquanto as TIC e o multimédia interactivo baixaram 2.5 por cento (de 1988.4 para 1937.9 milhões de euros).

Quanto aos cenários prospectivos dos mercados e às tendências da procura nos próximos cinco anos, a consultora acredita que o crescimento é a nota dominante, com excepções nos telemóveis da norma GSM e na publicidade na Internet, com ambos a manterem-se nos valores actuais. A tónica positiva vai para os equipamentos periféricos – como o computador, a televisão, os telemóveis das novas gerações, as consolas de jogos, os organizadores pessoais (os chamados PDA) e os computadores de bolso (também designados por “handheld PC”) -, as redes móveis (GPRS, UMTS, IP móveis e serviços WAP, portais móveis, conteúdos e aplicações, publicidade e operadores de redes virtuais móveis), o acesso à banda larga digital e por cabo, os E-services e o comércio electrónico, bem como a televisão digital e os serviços interactivos. Exceptuando os equipamentos periféricos, não é arriscado prever um crescimento e geral nos outros tópicos, dada a sua baixa penetração actual.

Fonte: Público Computadores

[ « Anterior ]